top of page

Dump de viagem

As relações entre velhas e novas mídias sempre existiram, mas parece que estamos presenciando um momento curioso da história das tecnologias de reprodutibilidade técnica das imagens em que a produção de registros feitos para redes sociais estão se misturando com essa velharia que é o cinema. E isso acontece de várias formas, como vimos nas discussões da Mostra de Tiradentes em 2022, cuja edição tematizou a transformação do cinema por meio do contato com outras mídias.


Melhor de 3 é bom para pensar essas tranças entre o feed e o ecrã, uma vez que o curta inventa a partir de imagens do rolo de câmera do celular. A estratégia fílmica principal do filme é a deformação - ainda que juvenil - de registros de viagens do realizador, que as narra em primeira pessoa. As figuras humanas são (re)animadas em stop motion e seus rostos são cobertos por máscaras digitais à semelhança de figurinhas de aplicativos de mensagem ou emojis em redes sociais. 


As memórias se transformam em pequenos contos na armação que o filme constrói na montagem. Historinhas de viagem que, apesar de aventurosas, carregam uma brisa melancólica.


Algo que se nota no curta é o desejo de elaborar, através do cinema, aqueles sentimentos confusos que ficam depois de viagens marcantes. Remexendo arquivos pessoais que parecem causar tremores no realizador, o realizador (re)monta uma peça feita de lascas de memória que não foram para o feed e nem para os stories. E tudo termina no mar.

 

Este texto crítico foi escrito por João Paulo Campos, crítico e pesquisador, para a obra "Melhor de Três" (Fábio Narciso, Brasil, 2024), exibido em 24 de fevereiro de 2024, na programação do Prêmio Humberto Mauro.

 

24 visualizações

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page